Cidadania e Justiça

Cidade ganha uma favela a cada oito dias

FSP, 12/02/2003

Cidade ganha uma favela a cada oito dias

Estudo mede ritmo de favelização no município e indica que, na última década, surgiram 464 áreas irregulares.

Em 2000, eram 1,16 milhões de pessoas vivendo em 2.018 favelas

SP esconde 400 mil superpobres

FSP, 23/02/2003

SP esconde 400 mil superpobres

Estudo aponta população equivalente a 83 guaribas em áreas de altíssima privação social.

 

A pobreza mais intensa na é necessariamente a mais visível. As áreas de maior vulnerabilidade social da cidade de São Paulo encontram-se distantes das regiões centrais e do olhar público. Dp ponto de vista urbano, formam um mosaico de miséria dentro do cinturão periférico de exclusão.

As 400 mil pessoas que habitam as regiões com os piores indicadores da cidade não sofrem apenas a privação de bens e serviços. São também vítimas de uma segregação espacial. Estão separadas das regiões mais bem assistidas por extensões de pobreza, em que a oferta de assistência pública é escassa, senão nula.

 

A precariedade da metrópole é diferente da privação sertaneja,mas não é menos relevante. O município de São Paulo abriga 3,06% dos domicílios do país com renda inferior a dois salários mínimos – 409 mil famílias vivem com renda em uma escala de zero a 400 reais ao mês, de acordo com a PNAD, 2001.

 

O Mapa da vulnerabilidade social (CEM/CEBRAP) identificou áreas em que 3 milhões de paulistanos (29,3%) da população, vivem em condição de alta vulnerabilidade. Entre eles, 3,8% formam o grupo de altíssima vulnerabilidade.

(Foram selecionadas 11 variáveis do Censo 2000 e a base foram os setores censitários... O mapa permite uma visualização com detalhes jamais vistos em SP: as áreas de pior qualidade de vida são justamente aquelas que apresentam maior concentração de crianças e jovens)

 

Ver mapa no site:

http://www.centrodametropole.org.br/cemsas

Tenente e soldado são condenados por crime de tortura

FSP. 17/08/2002

Tenente e soldado são condenados por crime de tortura, por agressões, asfixiamento e cheques elétricos que impingiram em dois homens numa base comunitária no Jardim Ranieri, alguns dias antes de sua inauguração, em janeiro de 2000. O delegado foi condenado por omissão. Os PM prenderam os dois indivíduos quando investigavam a morte de um colega enquanto trabalhava como segurança de uma empresa. Os PM queriam que eles assumissem o crime e apontassem outros responsáveis. Um outro indivíduo, suspeito, foi morte em tiroteio, segundo a PM.

Cerca de 120 inquéritos por tortura foram abertos no Estado de São Paulo, desde 1997, quando entrou em vigor a lei contra a tortura.

Av. Paulista ganhará 30 guaritas para Pm

FSP, 17/08/2002

Av. Paulista ganhará 30 guaritas para Pm

Reforço do policiamento do centro de Sp será feito por batalhão fixado no lugar do terminal Bresser. 34 batalhão de PM Metropolitano treinará 500 PM para trabalharam a pé, em guaritas ou de metrô; 60 Pm farão policiamento em 30 guaritas móveis na paulista, que funcionarão das 7 as 21 horas. As guaritas vão ser compradas com apoio da Associação Paulista Viva, mantida por comerciantes da região, e custam 3000 reais cada. As guaritas são de fibra de vidro, permitindo que sejam “retiradas de madrugada, para evitar vandalismo quando não houver policiamento.”