Segurança Pública

Medo do tráfico fecha comércio no centro

FSP, 8/11/2002

Medo do tráfico fecha comércio no centro, durante do o dia de ontem. Cerca de cem comerciantes decidiram seguir a ordem;

Toque de recolher foi ordenado por supostos traficantes após a morte de dois suspeitos em confronto com a policia (Rota); (A ação da Rota era meio estranha, pois eles entraram em apartamentos, fingiram negociar armas, prenderam oito pessoas e trocaram tiros... ????)

Homens da GCM protegem escola municipal no Bairro do Glicério

Nem a presença de mais de 120 policiais militares e 30 policiais civis fez os comerciantes mudarem de idéia.

Mesmo a igreja fechou; na escola municipal muitos pais foram buscar seus filhos antes do horário;

Tráfico paga até 12 mil de salário a garotos.

FSP, 14/01/2003

 

Tráfico paga até 12 mil de salário a garotos.

Segundo pesquisa da Fiocruz, os adolescentes recebem de 100 a 3000 reais por semana dependendo da hierarquia;

Os resultados estão no livro “Nem soldados, nem inocentes” de Otávio Cruz Neto; Marcelo Rasga Moreira e Luiz Fernando Mazzei Sucena;

Uma pesquisa feita pelo IBISS, indicava, em 2002, que 7000 adolescentes trabalham no tráfico no Rio; O Rio ainda ostenta a maior taxa de mobilidade descentente 25,3%, sendo a média nacional de 14%, dados para 1996.

Prevenção da violência

A violência está entre os inúmeros problemas que a população brasileira espera solução há vários anos. Em todo país os índices de violência aumentaram consideravelmente. Homicídios, assaltos, sequestros e a ação cada vez mais efetiva do crime organizado. O crescimento da miséria, a eterna desigualdade social e até mesmo a tendência de buscar dinheiro sem sacrifício, leva todos os anos milhares de pessoas a ingressar no mundo do crime. Marília ainda mantém sua característica calma de cidade do Interior mas a ocorrência de vários casos de roubo nos últimos meses já desperta preocupação de moradores e comerciantes. No ano de 2002 foram registrados na cidade 43 casos de homicídio, uma número quase quatro vezes maior que em 2001. A violência parece estar por toda parte e a população quer soluções. Comerciantes de Marília estão se reunindo para pedir providências contra os constantes roubos praticados contra restaurantes e pizzarias da cidade. O combate à violência envolve vários aspectos que no Brasil se tornam cada vez mais problemáticos. A falta de investimento do Governo em segurança como equipamentos, veículos, munição, aumento do efetivo, intensificação do trabalho de inteligência. A polícia vem conseguindo bons resultados diante dos poucos recursos de que dispõe. Por outro lado, é preciso investir também na prevenção da violência, através da diminuição da desigualdade social e do investimento na educação. Somente oferecendo emprego, educação e uma vida digna, será possível ao menos prevenir a violência. Caso contrário o Governo vai passar os próximos quatro anos distribuindo comida e tudo vai continuar como está, ou pior.

13/02/2003

Diário de Marília

Violência nas ruas

Os números da criminalidade em Marília começam e preocupar a população acostumada com a calma típica das cidades do interior. A cidade vem crescendo a cada ano e com isso surgem também problemas que até então os moradores não estavam acostumados a enfrentar. Há seis anos, Marília registrava cerca de 50 ocorrências por dia nos distritos policiais. Hoje esse número chega a 300. A situação fica ainda mais preocupante quando observamos que nesse período não houve aumento do efetivo policial na cidade. Tanto a polícia Civil como a Militar, admitem que Marília tem número de policiais insuficiente para o tamanho da cidade. O problema acontece em dezenas de outras cidades do Estado. Por mais que haja um esforço concentrado das polícias, fica difícil evitar que os furtos e roubos aconteçam. Não há homens suficientes para atuar de forma preventiva em todos os pontos da cidade. Vários acusados já foram presos e roubos foram esclarecidos. Mas é preciso mais. No feriado prolongado, foram registrados oito roubos em Marília, além de dezenas de furtos em veículos, residências ou estabelecimentos comerciais. Todo final de semana são registrados inúmeros casos de furto no interior de veículos. Jovens arrombam os veículos para levar aparelhos de som ou outros objetos que estejam no carro. Em um desses casos, um adolescente de 17 anos arrombou a porta de um carro estacionado para furtar uma sacola com pão que estava no banco. O alarme disparou e ele foi pego pela polícia. Disse que fez isso porque estava com fome. A situação está cada vez mais grave e a violência é motivada pela miséria ou pela droga. É necessário que as ações sejam cojuntas para se obter melhor resultado. Mais polícia nas ruas, combate ao tráfico de drogas e programas eficientes de assistência aos menores carentes.